Guia Retrátil para Cachorro – Razões para Não Usar


A guia retrátil é um pedaço de corda fina ou fita enrolada e acondicionada em um dispositivo de plástico, concebido para caber confortavelmente na mão humana.  Uma mola mantém a corda sempre enrolada, até que seja puxada e se estique por muitos metros. A guia retrátil dá mais liberdade ao cão, que pode andar pela rua como se estivesse livre. É onde começam os riscos e inconvenientes.

Usando uma guia retrátil o cão pode se afastar bastante do dono. Há guias que permitem um afastamento de cinco metros ou até mais. Uma situação aparentemente normal pode se transformar em situação de risco, sem que haja tempo para qualquer reação. Correr para o meio da rua ou encontrar um outro animal de frente ao dobrar a esquina, são situações mais comuns do que imaginamos.

Riscos da guia retrátil

guia retrátil

Um cão em perigo pode se assustar e tentar fugir, rompendo com facilidade a fina corda da guia retrátil. Indo até o limite máximo de esticamento, a corda pode se soltar da mola que aciona o mecanismo. Neste caso, o cão estaria sem controle, amarrado a uma longa corda que poderia causar sérios acidentes. Tentar segurar uma fina corda que se rompe pode causar ferimentos e queimaduras na mão do dono.

Se um cão se agita e se afasta do dono, este tem duas opções: trava a guia retrátil para impedir o acionamento da mola que libera a corda ou deixa esta ir até o final. Em ambos os casos a corda poderá se romper ou, o que é pior, dar um tranco no pescoço do cachorro. Há sérios riscos de feridas no pescoço, traqueias dilaceradas e lesões na coluna vertebral.

Se a parte plástica da guia retrátil, que fica nas mãos do passeador, cair ao chão por um descuido, a queda fará um barulho que poderá assustar o cão, pondo-o em fuga.  Imagine um cachorro correndo, sendo perseguido por… uma coleira. Vai entrar em pânico, correr para a pista de rolamento, correndo risco de ser atropelado. Se a corda se enrolar em algum obstáculo, vai dar um tranco muito forte e quebrar o pescoço do animal.

Já usei guia retrátil em um de meus cães e, como esperava, ela começou a travar com pouco tempo de uso. Tentei voltar a usar a guia curta, mas o cão já estava mal acostumado, puxando bem mais do que o normal. Foi adestrado para andar pela rua como se estivesse livre. Difícil fazê-lo entender que a situação agora era outra.

O cão deve ser treinado para andar ao seu lado mesmo sem usar coleira e guia. Esta serviria apenas para pequenas correções de rumo e para garantir a segurança do animal em caso de necessidade. A questão da liderança é muito importante. O cão deve estar ao seu lado, nunca comandando o passeio, na dianteira. Afinal, quem é o líder, você ou ele? Pense nisso antes de optar pela guia retrátil. Saiba, no entanto, que algumas são de boa qualidade e oferecem segurança até para cães de grande porte em situações extremas. Particularmente, eu gostaria de ter o meu cão sob meu controle em situações extremas. Não foi para enfrentar situações arriscadas que saímos para passear e a guia retrátil pode causar essas situações.

 

 
2.570 views

7 comments on “Guia Retrátil para Cachorro – Razões para Não Usar

  1. Eu uso ha anos guia retrátil em meus bichos, acho excelente tanto para cães como para gatos, ha 3 anos sou cadeirante e continuo utilizando as guias retrateis nos meus bichos inclusive na minha cachorra de serviço. Estes acidentes escritos neste artigo não fala como devemos utilizar a guia retrátil corretamente para não existirem estes acidentes.
    1º escolher uma boa marca de guia retrátil e que seja compatível ao peso do animal, eu gosto de comprar a guia com alguns quilos de folga, por exemplo se tenho um cão de 10 kg, compro uma guia para 15 ou 20 kg, dependendo de como é o comportamento do cão.
    Existem marcas de guia retrátil onde não são de fornecedores idôneos e estas facilmente se rompe, então vale a pena dar uma estudada nas marcas disponível no mercado, para comprar uma guia segura.
    2º No caso dos gatos, os meus ficam soltos durante o dia e presos a noite, muitas vezes quando estão presos se recusam a usar a caixa de areia, e quando solto para fazer suas necessidades muitas vezes demoram muito para voltar, tentei usar uma coleira peitoral de cães em uma guia comum, mas alguns gatos ficam constrangidos do dono estar muito perto e acabam não fazendo, com uma guia de 5 metros retrátil você evita que o gato se enrosque em uma guia não retrátil deste tamanho e consegue dar privacidade a ele..
    3º Em cães que puxam muito, até uso a guia retrátil, mas com uma coleira cabresto, e 90% do tempo ando como se fosse uma guia curta, só deixo como longa se estou em um lugar sem perigo, como uma praça ou parque, (desaconselho o uso em animais agressivos com pessoas e/ ou com outros animais)
    4º Se é um animal que não puxa, ou daqueles donos que andam com os animais soltos (o que acho uma estupidez) pode usar perfeitamente uma guia retrátil com uma peitoral, o que previne seriamente acidentes no pescoço. Vou falar o que sempre falo a quem tem cães que andam sem guia, seu cachorro pode ser extremamente obediente mas sempre use uma coleira para a segurança dele, nunca sabemos o que uma hora pode assustar seu cão e fazer que ele corra para a rua e acabe sendo atropelado. Mas ele nunca fez isto! Pois é mas se uma vez fizer pode acabar morto. Ele pode ser bonzinho e não provocar um outro bicho para a briga, mas e se um outro cachorro, com dono ou de rua mesmo não for sociável e atacar seu cão uma guia, retrátil ou não te permite trazer seu cão mais próximo de você, para conseguir evitar a briga a tempo.
    Geralmente as pessoas que andam com animais soltos, é mais fácil convence-los a usar uma guia retrátil ao invés da tradicional (principalmente idosos, que já tiveram trocentos cães a vida toda e sempre andou sem guia). Você começa mostrando que é como se o cachorro estivesse livre mas é um pouco mais seguro, e depois aos poucos você vai ensinando a usar a guia corretamente. 😉

    Responda

  2. Eu uso ha anos guia retrátil em meus bichos, acho excelente tanto para cães como para gatos, ha 3 anos sou cadeirante e continuo utilizando as guias retrateis nos meus bichos inclusive na minha cachorra de serviço. Estes acidentes escritos neste artigo não fala como devemos utilizar a guia retrátil corretamente para não existirem estes acidentes.
    1º escolher uma boa marca de guia retrátil e que seja compatível ao peso do animal, eu gosto de comprar a guia com alguns quilos de folga, por exemplo se tenho um cão de 10 kg, compro uma guia para 15 ou 20 kg, dependendo de como é o comportamento do cão.
    Existem marcas de guia retrátil onde não são de fornecedores idôneos e estas facilmente se rompe, então vale a pena dar uma estudada nas marcas disponível no mercado, para comprar uma guia segura.
    2º No caso dos gatos, os meus ficam soltos durante o dia e presos a noite, muitas vezes quando estão presos se recusam a usar a caixa de areia, e quando solto para fazer suas necessidades muitas vezes demoram muito para voltar, tentei usar uma coleira peitoral de cães em uma guia comum, mas alguns gatos ficam constrangidos do dono estar muito perto e acabam não fazendo, com uma guia de 5 metros retrátil você evita que o gato se enrosque em uma guia não retrátil deste tamanho e consegue dar privacidade a ele..
    3º Em cães que puxam muito, até uso a guia retrátil, mas com uma coleira cabresto, e 90% do tempo ando como se fosse uma guia curta, só deixo como longa se estou em um lugar sem perigo, como uma praça ou parque, (desaconselho o uso em animais agressivos com pessoas e/ ou com outros animais)
    4º Se é um animal que não puxa, ou daqueles donos que andam com os animais soltos (o que acho uma estupidez) pode usar perfeitamente uma guia retrátil com uma peitoral, o que previne seriamente acidentes no pescoço. Vou falar o que sempre falo a quem tem cães que andam sem guia, seu cachorro pode ser extremamente obediente mas sempre use uma coleira para a segurança dele, nunca sabemos o que uma hora pode assustar seu cão e fazer que ele corra para a rua e acabe sendo atropelado. Mas ele nunca fez isto! Pois é mas se uma vez fizer pode acabar morto. Ele pode ser bonzinho e não provocar um outro bicho para a briga, mas e se um outro cachorro, com dono ou de rua mesmo não for sociável e atacar seu cão uma guia, retrátil ou não te permite trazer seu cão mais próximo de você, para conseguir evitar a briga a tempo.
    Geralmente as pessoas que andam com animais soltos, é mais fácil convence-los a usar uma guia retrátil ao invés da tradicional (principalmente idosos, que já tiveram trocentos cães a vida toda e sempre andou sem guia). Você começa mostrando que é como se o cachorro estivesse livre mas é um pouco mais seguro, e depois aos poucos você vai ensinando a usar a guia corretamente. 😉

    Responda

  3. Gostaria de ter lido isso antes de realizar um passeio com dois Border Collies usando uma dessas. Compramos duas guias com especificação para cães de até 35kg sendo que nossa fêmea tem é2kg e nosso filhote cerca de 26kg. Já na primeira arrancada dentro do condomínio em direção aos cães do portão do vizinho a guia não travou corretamente, foi até o fim dos 5m arremessando minha namorada contra o asfalto.

    Aem dúvidas, não é algo que recomendo para raças grandes. Transmite muita insegurança, mesmo sendo de marcas conhecidas.

    Enfim, espero que seu post ajude muitas outras pessoas.

    Fabiano

    Responda

    Paulo Afonso Reply:

    @Fabiano Amaro, obrigado pelo testemunho.

    Responda

Deixe uma resposta

Name and email are required. Your email address will not be published.