Calor Excessivo Pode ser Fatal para Cães


O verão é a estação das temperaturas extremas. Quem vive no Rio de Janeiro sabe como são as temperaturas que se aproximam dos 40 graus, com sensação térmica de muito mais. O calor excessivo pode causar hipertermia e ser fatal para os cães. Se não tratados, podem morrer em poucos minutos.

Os cães suportam bem temperaturas até 26º. Mais do que isso, o calor excessivo pode causar hipertermia, identificada de imediato pela respiração ofegante, saliva espessa, corpo quente e outros sintomas característicos. Cães têm a temperatura corporal entre 38,5º e 39,5º. Passando dos 39,5º torna-se muito difícil a dissipação do calor, que acontece principalmente pela língua, patas, e região escrotal. Os passeios devem acontecer pela manhã, até 9 horas (10 horas pelo horário de verão) e após 5 da tarde. Dentro do carro, em ambiente muito aquecido, também pode acontecer a hipertermia, daí o perigo de fazer viagens longas em dias quentes, sem a proteção efetiva de um bom ar condicionado no veículo. Os engarrafamentos nas grandes cidades dificultam a ventilação interna e, muitas vezes, prejudicam o funcionamento do ar condicionado.

Uma vez passei por momentos desesperadores em um engarrafamento na Rodovia Niterói-Manilha, quando viajava para a Região dos Lagos com Mel e Nick, meus companheiros inseparáveis. Fiquei preso em um imenso engarrafamento, a temperatura interna era infernal e o ar condicionado parou de funcionar. Os cachorros já demonstravam sinais bastante preocupantes. Felizmente consegui romper a barreira de carros abrindo caminho com a ajuda de um carro da polícia, a quem pedi socorro.

Cães de focinho pequeno, tipo Pug, são os que mais sofrem com o calor. A língua não tem capacidade para reduzir a temperatura corporal em pouco tempo.

Tosar é uma boa medida para combater o calor excessivo?

Tosar o animal no verão é uma excelente medida, certo? Errado! Ofereça água fresca, dê banhos frequentes, molhe o piso do quintal, mas não o tose. Destaco um parágrafo de matéria publicada no site Seu Buldogue Francês:

O mecanismo de compensação térmica dos cães é completamente diferente do nosso: quando está quente, nossa pele transpira. O suor liberado sobre a pele evapora, roubando calor do corpo e abaixando, assim, a nossa temperatura. Mas cães não transpiram pela pele! Eles fazem a regulação da temperatura do corpo pela boca: ficam afegantes, expulsando o ar quente e diminuindo assim a sua temperatura interna. (um controle de temperatura bem menos eficiente que o nosso). Tosar não ajuda, e pode piorar o problema.”

A Dra. Letícia Piccoli (CRMV/RJ 10.105) acrescenta:

“Uma tosa “radical” nunca é boa, mas raças como Poodle, Lhasa Apso, Shih tzu, dentre outras menos famosas, possuem pelagens duplas que não sofrem muda sazonal, ou seja, são aquelas que possuem uma grande quantidade de subpêlo, maior que o pelo principal. Esta é uma pelagem de crescimento contínuo dos cães, pois os pelos crescem e se desprendem um a um, em determinado momento, e sendo assim quando esses pelos não são removidos regularmente, viram “nós”, sendo necessária a realização da tosa. Esperamos que agora tenha ficado 100% claro.” 

O que fazer quando o calor excessivo causa hipertermia

Em caso de início de hipertermia, colocar o cãozinho na sombra, oferecer água fresca e ir molhando a base do pescoço com uma toalha úmida. Não dê banho frio. O choque térmico pode ser fatal. Passe a toalha na barriga e virilha, sempre umedecendo. Em seguida procure o veterinário. Pode ser necessária medicação intravenosa e hidratação.

cães sofrem com o verão

A inspiração para escrever este artigo veio do programa “É de casa“, exibido pela TV GLOBO em 16 de janeiro de 2016. André Marques entrevistou o veterinário Henrique Perdigão. Quem quiser assistir ao vídeo, basta acessar o GSHOW.

Acho que nem precisa dizer que animais não devem permanecer trancados no carro enquanto o motorista vai ao banco ou farmácia. Parece exagero, mas recentemente circulou pelas redes sociais um vídeo em que a polícia libertou um cachorro que estava trancado no porta-malas de um carro. Estava quase morto por causa do calor, em estado adiantado de hipertermia. Logo em seguida chegou a proprietária do veículo, com uma criança no colo, e mostrou-se surpresa com tanto movimento. Após prestar depoimento na delegacia, foi liberada e continuou com a guarda do pobre cãozinho.

Artigo publicado originalmente em 16 de janeiro de 2016 e atualizado com novas informações em 16 de janeiro de 2017.

 
341 views

Deixe uma resposta

Name and email are required. Your email address will not be published.